Belo Horizonte

De todas as grandes cidades brasileiras, Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, é provavelmente uma das mais ignoradas pelo turismo internacional. Um dos principais motivos é sua localização geográfica, longe das praias e de outros centros turísticos como a Amazônia ou o Pantanal. Mas a cidade é uma boa base para visitar tanto as Cidades Históricas quanto o altamente recomendado Instituto Inhotim.

Antes de continuar, é bom saber que os cariocas (e muitos brasileiros) se referem a Belo Horizonte com duas formas igualmente comuns: “Bé-agá” (resultado da leitura das iniciais B H em português) e “Beló”.

COMO CHEGAR:

O aeroporto de Confins, nos arredores de Belo Horizonte, recebe muitos voos regulares de outras capitais brasileiras, além de alguns voos internacionais. O aeroporto da Pampulha, localizado na cidade, recebe um pequeno número de voos em aeronaves de pequeno porte. Para ir de Confins ao centro da cidade existem dois serviços regulares de ônibus, um Executivo, que custa R$ 16,90, e um Convencional, que custa R$ 7,35. Ambos os ônibus estão preparados para transportar os viajantes com suas bagagens. Mais detalhes no Expresso Unir.

Além do avião, pode-se chegar a Belo Horizonte de ônibus, tanto do Rio quanto de São Paulo. Desde o início, as empresas Cometa e Util fazem o passeio. De São Paulo, o Pipa e o Gontijo.

QUANDO IR:

Em Belo Horizonte as chuvas concentram-se no período de novembro a março, quando chove torrencialmente com muita frequência. Entre maio e setembro as chuvas são muito escassas. Não existe uma época do ano que se destaque das demais na hora de planejar uma viagem a Belo Horizonte.

CUIDADO COM:

Alugar um carro para se locomover pela cidade, uma péssima ideia.

O QUE MAIS GOSTAMOS:

Apesar de ser uma cidade de dois milhões e meio de habitantes (muito mais quando se conta sua imensa área metropolitana), mantém um ar de interior urbano que a diferencia em muitos aspectos de cidades gigantes como Rio ou São Paulo.

DO QUE MENOS GOSTAMOS:

Desenvolvimento urbano caótico, especialmente na periferia. Cimento que nunca acaba. Muitos motoristas dirigem seus veículos de forma criminosa.

LUGARES FAVORITOS:

Pampulha e seu entorno; o mirante das Mangabeiras; o Mercado Municipal.

DICAS:

A Lagoa da Pampulha, no noroeste da cidade, é um dos lugares mais bonitos da capital. Ao redor da silhueta sinuosa do lago há um belo conjunto arquitetônico, cuja obra mais destacada é a Igreja de São Francisco de Assis, obra do primeiro Niemeyer e que o catapultou para a fama. O ônibus de 2004, que passa pela Avenida Afonso Pena, vai até a igreja.

O estádio Governador Magalhães Pinto, mais conhecido como Mineirão, também na região da Pampulha, é um dos maiores do Brasil e sede do Cruzeiro e do Atlético Mineiro. Há visitas guiadas. Mais informações em Mineirão.

Belo Horizonte é conhecida no Brasil como a capital dos botecos, dos bares, e orgulhosamente afirma ter a maior concentração de bares por habitante. Excelentes lugares para tomar uma cerveja acompanhada de um lanche típico são o Mercado Municipal e os bairros da Savassi, Lourdes e Funcionários, na área central da cidade.

Uma manhã passeando pelas barracas do Mercado Municipal é um verdadeiro estímulo para os sentidos.

Prepare-se para uma montanha-russa de sabores e cores.

Se você tem veículo próprio, pode subir até o Parque das Mangabeiras e ir até o Mirante das Mangabeiras de onde se tem uma vista espetacular da cidade.

Se você tem um dia a mais na cidade, não deixe de visitar o Instituto Inhotim. Na entrada que lhe dedicamos no blog tem a informação de como lá chegar.

Belo Horizonte é, logicamente, o lugar ideal para experimentar a famosa comida mineira, calórica, contundente e deliciosa em partes iguais.
Todas as informações sobre transporte público em Belo Horizonte estão na BH Trans.